A conta do desperdício – Estado de Minas

março 23, 2017
Cerca de 40% de toda a água tratada no Brasil é perdida. Uso racional é um dos principais focos na engenharia de projetos hidráulicos e sanitários   Ontem foi comemorado o Dia Mundial da Água, evento instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) para comemorar e realizar atividades de reflexão sobre o significado da água para a vida na Terra. A data traz à tona debates sobre o uso inteligente dos recursos hídricos. Com um cenário de crise, o uso racional da água é um dos principais focos na engenharia de projetos hidráulicos e sanitários, Para se ter uma ideia, o Brasil se destaca mundialmente pela fartura de seus recursos hídricos, pois é detentor de 12% do total de água doce da superfície do planeta. O país tem o Rio Amazonas, o maior em volume de água, além de um dos principais aquíferos subterrâneos e com um alto índice de chuva em seu território. Porém, mesmo com esse potencial, nota-se que falta consciência sobre a importância da preservação dos recursos por grande parte da população. De acordo com o relatório do Ministério das Cidades, o Brasil também chama a atenção pelo desperdício de água: aproximadamente, 41% de toda a água tratada é desperdiçada. Bruno Marciano, diretor comercial da Projelet ECOM, empresa de projetos de instalações de sistemas prediais, alerta que a conscientização deve ser geral e não somente nas práticas do dia a dia. Ele conta que um estudo do Instituto Trata Brasil mostra que quase 40% da água tratada no país é perdida por causa de vazamentos nas tubulações, ligações clandestinas e erros de medição. De acordo com os dados do Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento (SNIS) em 2015, que são os mais recentes e foram divulgados em janeiro deste ano, o índice nacional de perda de água na distribuição é de 36,7%. Em 2011, era de 38,8% –o que significa uma evolução muito lenta para diminuir o desperdício no país, de apenas 2,1 pontos percentuais em quatro anos. Para o executivo, a necessidade do uso sensato de água estimula cada vez mais o mercado de projetos a desenvolver mecanismos que evitam excessos e gastos desnecessários. “O cuidado com a água é necessário, mas será que tudo é visível aos nossos olhos? Será que o problema não está no reservatório, no percurso até chegar em nossa casa ou no encanamento? E mesmo que não possamos comparar o nosso uso diário com as indústrias, o que pode ser feito?”, questiona o diretor comercial da Projelet ECOM, Bruno Marciano comemora o fato de ver o grande número de companhias que hoje se preocupam com o meio ambiente. “Muitas pessoas procuram a Projelet ECOM justamente por oferecer disciplinas que visam à economia de água, energia e outras que diminuam o impacto no meio ambiente. É tendência, e nós como profissionais temos que nos preparar para as tendências e necessidades do nosso planeta”, conclui o executivo. Não podemos esquecer que, nas últimas décadas, o consumo de água cresceu duas vezes mais do

Engenharias e arquitetura: projetos de sistemas prediais no BIM

março 17, 2017
Sabemos que a integração entre profissionais da engenharia e da arquitetura é uma tendência cada vez maior. Quando se trabalha com o BIM, a união entre as duas áreas é essencial. Isso porque, na construção de sistemas prediais, o trabalho entre essas equipe traz resultados mais precisos. A viabilidade técnica, que ficava como segundo plano para os arquitetos, também passa a fazer parte do processo. Assim, o sistema construtivo e as soluções para os projetos dependem tanto dos engenheiros quanto dos arquitetos. Aos profissionais das duas áreas é habitual o trabalho com tela compartilhada e desenvolvimento simultâneo de projetos. O post de hoje é para você que tem interesse em entender como a atuação conjunta dos profissionais da arquitetura e da engenharia traz vantagens para os mais diversos tipos de instalações. É hora de conhecer algumas aplicações práticas do BIM que beneficiam sistemas prediais, como a projeção e construção de edificações completas e as análises de sustentabilidade e consumo de energia. Benefícios do trabalho conjunto no BIM Equipes são mais integradas e composta por representantes de todos os principais níveis Foco no trabalho colaborativo As informações são compartilhadas abertamente Antecipação de mudanças e adequações Riscos gerenciados de forma coletiva e divididos entre os participantes Sucesso na construção de sistemas prediais é diretamente relacionado e condicionado ao sucesso do trabalho em equipe Estimula, dá suporte e promove o compartilhamento de ideias Conheça algumas situações em que o trabalho coletivo entre engenheiros e arquitetos no BIM trazem benefícios: Edificações Complexas Desenho das edificações A tendência à complexidade em construções é cada vez maior, uma vez que a adoção de formas curvas, orgânicas e até mesmo de componentes móveis por arquitetos  em sistemas prediais é progressiva. Na hora de projetar, se não bem gerenciados, os desafios em busca da complexidade podem criar problemas de diversos tipos. Por isso, é importante desenvolver uma boa coordenação espacial de um projeto, facilitando por exemplo, a organização das diversas disciplinas e instalações que existem em um sistema predial. Nesse sentido, o BIM se apresenta como boa ferramenta a fim de simplificar a projeção. Em referência à modelagem digital, o fluxo de trabalho é facilitado graças à automação possibilitada pelo software. Por meio dela, é possível modelar estruturas complexas, equalizar interferências e criar diretrizes ao projeto de forma detalhada, refinando o produto final. Isso porque a possibilidade de uso do 3D economiza tempo, antes dedicado à produção de desenhos 2D e em suas revisões. Assim, a projeção de geometria complexa tem processos otimizados e evita erros e facilita a compatibilização do projeto. Coordenação Geométrica A viabilização da montagem e construção de projetos de geometria complexa pode gerar trabalho redobrado, com recálculos ou retrabalhos. A fim de evitar isso, evidenciamos a necessidade do trabalho conjunto entre arquiteto e engenheiro na elaboração de soluções e lógicas para reger a geração de elementos na construção de sistemas prediais. Com o auxílio da plataforma BIM, enfrentar as condições de execução desafiadoras vêm se tornando mais simples. É mais fácil entender e seguir

Na prática: usando o BIM na Projelet ECOM

fevereiro 17, 2017
Já te contamos o que é o BIM e a sua importância para o gerenciamento da construção civil. Na Projelet ECOM, utilizamos a plataforma BIM por meio do software Revit, desde 2013. Sua implantação vem possibilitando o desenvolvimento integrado de empreendimentos, trazendo mais tecnologia para a Engenharia e a Arquitetura. No mercado brasileiro, a implantação da plataforma ainda é lenta, mas muitos profissionais estão desenvolvendo suas habilidades no software a cada dia. Apesar de ser considerando fator de “encarecimento” da obra, o gasto, aparentemente extra, é justificado. Afinal, a metodologia de trabalho elimina chances de erros nos projetos da construção civil e auxilia o entendimento dos projetos em obra, facilitando o processo de execução. Entre os benefícios efetivos do uso do BIM estão a simulação de uma obra, de forma aperfeiçoada, a mudança no fluxo e processo de trabalho, a equalização das interferências entre os projetos incluídos, entre diversos outros. Neste post, contaremos sobre a experiência da Projelet ECOM usando o BIM para mostrar como ele beneficia projetos executivos de sistemas prediais. Adaptação da Projelet ECOM com o BIM A implantação do BIM sempre fez parte dos planos da Projelet ECOM. Em 2013, iniciamos a preparação com a realização de cursos e do processo de licenciamento. Uma decisão importante foi a escolha pelo software Revit, da Autodesk. Adquirir o software pela empresa mais reconhecida mundialmente na área já diz muito sobre nosso compromisso com a qualidade. Apesar de existirem opções mais baratas no mercado, preferimos investir em uma plataforma que nos desse segurança e estabilidade, já que a ferramenta é o que há de mais avançado mundialmente. Além disso, optamos por crescer em conjunto com o mercado, já que vários escritórios de arquitetura também estavam no processo de aquisição de softwares BIM. O processo de licenciamento e implantação do Revit na Projelet ECOM levou um tempo. Somamos nossos esforços para trazer capacitação, treinamento especializado e suporte aos nossos colaboradores, que passaram a ter expertise para desenvolver projetos dos mais variados tipos nessa plataforma. E, mesmo com nossa expertise, acreditamos que sempre há algo a aprimorar, e visualizamos no futuro ainda mais desenvolvimento e especialização no BIM. Prevemos, assim, a possibilidade de desenvolver projetos com cada vez mais especificidade, ultrapassando os limites do 3D, usando também o 4D, 5D e até 6D. Aproximando o BIM dos nossos clientes Convencer nossos clientes a optarem pelo desenvolvimento de projetos através de uma plataforma nova e quase inexplorada em nosso mercado levou um tempo. Afinal, o BIM, menos conhecido até então, gerava dúvidas. Buscamos superar essa hesitação dos clientes colocando em todos os nossos projetos de instalações algum detalhe modelado pelo BIM. Esse hábito, que se tornou uma regra na hora de projetarmos, mostrou aos nossos clientes as vantagens dos projetos desenvolvidos na plataforma. A partir daí, fomos capazes de provar para os nossos parceiros o quão diferente é a apresentação de projetos feita em Revit. Essa foi nossa solução em busca de incentivar o mercado ao desenvolvimento, mostrando os benefícios futuros previstos pelo projeto.

Você está contratando certo?

janeiro 24, 2017
Ao buscar um projeto em sistemas prediais, o cliente sempre deseja excelência na prestação do serviço. No entanto, muitos não têm disposição para ir em busca da melhor empresa ou não querem arcar com o valor sugerido. Esses são apenas alguns dos motivos que levam aos erros na hora de executar um planejamento na obra. O engenheiro Weber Carvalho, diretor técnico da Projelet ECOM, nesta edição, fala sobre a disciplina de prevenção e combate ao incêndio, bem como a importância de contratar os profissionais certos. Entenda a área O projeto de prevenção e combate ao incêndio trata das medidas ativas e passivas para evitar o fogo e pânico em uma edificação. A primeira está relacionada aos extintores, hidrantes, chuveiros automáticos, entre outros equipamentos. A segunda cuida das características de um prédio, que irão possibilitar uma fuga adequada e com segurança, além de impedir ou adiar a propagação do incêndio verticalmente e horizontalmente. Ela está totalmente relacionada ao projeto de arquitetura (quantidades e tipos de escadas, ter ou não elevador de emergência, hall de descarga, áreas de refúgio, espessuras de alvenaria, locação e dimensionamento de portas corta-fogo, etc). Carvalho explica que na concepção do projeto, o arquiteto precisa de um suporte adequado para fazer um trabalho que, futuramente, seja aprovado no Corpo de Bombeiros do seu estado. Porque contratar a Projelet ECOM nessa disciplina? A Projelet Ecom trabalha ativamente de uma ponta à outra do processo. “Na fase de concepção, fornecemos o suporte e consultoria para o arquiteto ajustar o projeto dentro dos parâmetros normativos. Posteriormente elaboramos e aprovamos nosso escopo”, pontua Weber. Qual o diferencial? Segundo Carvalho, é bem comum que os projetos de prevenção e combate aos incêndios sejam elaborados apenas para aprovação, sem se preocupar com o planejamento executivo. “Hoje, se a construtora quiser atender à norma de desempenho, ela precisa de um projeto executivo, que trate de assuntos como compartimentação vertical, compatibilizações com estrutura, análise da influência das instalações elétricas, hidrossanitárias e outras na interface da resistência ao fogo dos elementos de estrutura. Não falo de notas simples no esboço ou detalhes genéricos. É necessário um projeto personalizado para cada empreendimento. É nesse sentido que a Projelet Ecom está preparada para atender aos mercados mais exigentes”, finaliza.

Projelet ECOM e Dávila desenvolvem projeto utilizando Plataforma BIM

janeiro 24, 2017
Como em qualquer bom relacionamento, a confiança é parte integrante do sucesso. No mundo dos negócios não seria diferente. Na engenharia e arquitetura, por exemplo, muitos fatores influenciam no resultado final dos projetos, bem como sua execução nas obras. A união entre os profissionais dessas áreas, se bem cultivadas, serve de base para um crescimento saudável dos empreendimentos. Bruno Marciano, diretor comercial da Projelet ECOM, valoriza as parcerias e as considera essenciais para a empresa.  Ele cita o escritório Dávila Arquitetura, que faz parte da história da companhia há mais de cinco anos, antes mesmo da fusão entre Projelet e ECOM. “A confiança que adquirimos com os gestores da Dávila se transforma, em cada parceria, em bons produtos de arquitetura e engenharia. Confirmamos isso mais uma vez no Residencial Alves do Valle, principalmente na utilização do BIM (Building Information Modeling)”. Para Alessandro Marques, gerente geral de Projetos, a escolha da Projelet ECOM para desenvolver os Projetos de Sistemas Prediais se deve aos anos de relação e consequente complementaridade entre os dois escritórios. “Eles contam com uma boa equipe multidisciplinar, com foco na qualidade do projeto e com um grande diferencial, que é a facilidade na comunicação e flexibilidade nas soluções de projeto. Tudo isso para seguir as premissas da arquitetura e compatibilização entre os demais projetistas”, pontua. Segundo Marques, a escolha da plataforma BIM no residencial foi feita, em primeiro lugar, por favorecer o desenvolvimento dos projetos tridimensionalmente em todas as etapas, além da parametrização, que oferece uma gama de recursos aos projetistas e aos planejadores dos empreendimentos. “Os métodos oferecidos pela ferramenta e a visualização contínua em 3D do negócio são apoios fantásticos na descoberta e solução de problemas interdisciplinares nos esboços, bem como no auxílio ao cliente e sua compreensão do projeto compatibilizado”, explica. Marques explica que a plataforma BIM é uma realidade cada vez mais presente na arquitetura e engenharia, mas ainda encontra algumas barreiras. “A principal delas talvez seja o número limitado de desenvolvedores dessas plataformas, o que onera o preço de venda desses softwares. Em função do preço, verificamos também uma dificuldade na implantação da plataforma em toda a cadeia de projetistas. Por isso, ainda é muito raro conseguirmos desenvolver um projeto e compatibilizá-lo totalmente em BIM com os demais profissionais”, conta.

Edifício Sol: conforto e sustentabilidade

janeiro 24, 2017
Assinado pelo arquiteto Gustavo Penna, da Gustavo Penna Arquiteto & Associados, o Edifício Sol, no último ano, foi um dos destaques do Grupo EPO e contou com os projetos de Sistemas Prediais da Projelet ECOM. Localizado no Vale do Sereno, o empreendimento foi concebido para seguir as características dos chamados “edifícios verdes”. Para Márcia Santos Arruda, gestora de obras da EPO Engenharia, é muito importante contar com profissionais de confiança. “A segurança nos processos, principalmente em momentos de crise, é essencial para o resultado final de uma obra. Nesse sentido, a Projelet ECOM preenche todos os requisitos, através da responsabilidade na entrega do projeto, atendimento ao cliente e qualidade no trabalho”, pontua.   Arruda destaca que a Projelet ECOM foi parceira também em outros projetos, como no Edifício Terra, que segue a mesma linha do Sol. “A flexibilidade da equipe na busca de soluções ideais e inovadoras é um dos pontos positivos da Projelet ECOM. É por isso que mantemos um relacionamento tão respeitoso e amigável”, afirma. “É responsabilidade da EPO aperfeiçoar o trabalho a cada dia. Se hoje temos bons resultados, isso é consequência da dedicação dos nossos colaboradores e parceiros, que desempenham papéis essenciais para oferecermos aos nossos clientes a excelência em produtos e serviços”, acrescenta.   Especificações O Edifício Sol conta com 21 apartamentos, sendo um por andar. A unidade tem 576,68 metros quadrados, incluindo três suítes com closet e varanda, além da suíte máster, que também possui closets e varanda. A sala de estar se integra à varanda e tem espaço gourmet, jardineiras nas janelas e banheiro com hidro. A cobertura possui 1.088,25 metros quadrados. O nível superior tem três salas de estar, lavabo, pérgolas descobertas, duas suítes, piscina e terraço. O prédio ainda possui elevador para transportar o carro até o andar do apartamento, onde tem uma vaga especial.

Engenharia e Arquitetura: 2 áreas, 1 só objetivo

janeiro 23, 2017
Engenharia e Arquitetura podem ser trabalhadas conjuntamente? Não é preciso ser especialista para responder que não só podem, como devem. Realizar um projeto que abranja a visão das duas áreas é muito vantajoso, pois traz assertividade, eficiência ao processo, otimização de recursos, além de estar atendendo aos requisitos normativos. Assim, o ramo da construção civil deve estar muito atento à compatibilização entre a engenharia e arquitetura. O trabalho conjunto é mais assertivo, principalmente se levarmos em conta a plataforma BIM, que já conjuga elementos das diversas áreas a fim de dar uma noção mais precisa para os projetistas em questão, seja ele engenheiro ou arquiteto. Por esta e outras razões, unir Engenharia e Arquitetura é uma realidade no mercado da construção civil. Quer saber o porquê? Elencamos alguns argumentos a seguir. Resumidamente, a Engenharia e Arquitetura devem trabalhar no desenvolvimento das mesmas obras na construção civil. Seja na construção de hospitais e shoppings centers ou de edifícios residenciais, ambos os profissionais somam suas competências ao se envolverem na concepção de um projeto. É essencial a comunicação e o consenso entre os profissionais quando trabalham em um mesmo projeto. Isso porque a engenharia interfere na arquitetura e, da mesma forma, a arquitetura interfere na engenharia. Assim, embora cada profissional esteja presente em uma parte específica do projeto, ambos precisam atuar juntos para garantir um bom resultado final. Integração entre Engenharia e Arquitetura: Resultado mais satisfatório    As etapas iniciais, como concepção do produto, estudo preliminar ou o anteprojeto, são o momento ideal para a entrada da equipe de engenharia. Isso porque devem ser consideradas as exigências da Norma de Desempenho, e suas demandas por análises em variadas fases de um projeto. O trabalho conjunto entre arquitetura e engenharia também influencia na hora de apresentar um projeto para licenciamento. Isso porque são analisadas questões legais relacionadas à arquitetura para autorizar uma construção. Muitas vezes, não são considerados, nessa hora, as necessidades das instalações de prevenção e combate à incêndio, elétricas, hidráulicas, de automação e demais instalações, assim como demandas estruturais da edificação. E isso pode gerar futuras mudanças desnecessárias e onerosas para o empreendimento. Por exemplo, sistemas hidráulicos e seus respectivos mecanismos podem impactar no número de vagas no estacionamento de um edifício. Ou, ainda, sistemas de incêndio podem demandar construções de mais escadas, rotas de fuga etc. As instruções técnicas do corpo de bombeiros podem demandar atualizações no projeto de um sistema predial. Por esse motivo, é perigoso que um projeto evolua sem acompanhamento de uma equipe de engenharia, pois podem ser necessárias intervenções que geram retrabalho, perda de tempo e dinheiro. Com o trabalho em conjunto é possível satisfazer tanto as necessidades técnicas quanto estéticas de um sistema predial. Quando alinhados à estrutura de um projeto, a engenharia e arquitetura se distribuem de forma mais interessante, possibilitando a compatibilização do início ao fim de uma obra. Desta forma, o projeto tem melhor distribuição, execução, prazo de entrega e um ponto muito importante: maior custo-benefício. Arquiteto e Engenheiro: Como contratar? É

Desafios em oportunidades

janeiro 11, 2017
Não é novidade que o ano de 2016 foi de muitas dificuldades e desafios para as empresas brasileiras. Em um cenário de inflação e juros em alta, demissões, consumo em baixa e retração histórica do PIB, uma das mais prováveis consequências é o desânimo de muito líderes, que se abalam e deixam o pessimismo tomar conta, ao invés de reinventarem. No entanto, alguns gestores já têm em mente que a crise também significa o momento de ofertar boas soluções e que sejam adequadas à realidade que estamos vivendo. Nesse sentido, um bom planejamento, além de estratégico, passa a ser considerado um dos pilares para as organizações, independente do porte ou segmento.   Ciente das transformações e obstáculos de mercado, um dos desafios da Projelet ECOM é se preparar para o desenvolvimento e se tornar cada vez mais competitiva num cenário de instabilidade econômica e consequente mudanças no mundo dos negócios. O momento atual é de aproveitar a menor demanda para nos organizarmos, pensando positivamente e nos planejando para o futuro. Com uma gestão interna elaborada, utilizamos os recursos internos para, temporariamente, alcançar novos nichos e reestabelecerem laços com clientes.   Ao longo de 2016 a Projelet ECOM participou de 05 treinamentos, conquistou 20 novos parceiros e clientes, esteve presente em eventos com foco em tecnologia BIM e elaborou projetos que fogem da rotina como o Autódromo de Curvelo. Em 2017, a estratégia da empresa se guia pela melhoria contínua do atendimento aos clientes, pela consolidação dos nossos serviços e principalmente continuar otimistas, pois, no momento de retomada, aqueles que não se abateram, terão o merecido retorno financeiro e credibilidade no mercado. Tudo isso com o objetivo de reforçar nossa excelência no mercado de engenharia. E que 2017 seja um ótimo ano para todos nós!

Projelet ECOM é homenageada em Café Empresarial do CEFET-MG

dezembro 2, 2016
Pela quinta vez, a Projelet ECOM é premiada como empresa formadora de profissionais por alunos do CEFET-MG em evento já tradicional na instituição, conhecido como “Café Empresarial”, que, anualmente, contempla entidades que oferecem estágios para alunos dos cursos técnicos oferecidos. Dessa vez, o curso escolhido foi o de Edificações. “Para nós é uma honra ser premiado pela instituição que nos formou no início de nossa vida profissional, antes da faculdade, e pela qual temos muito apreço. Acreditamos verdadeiramente que o trabalho desenvolvido no CEFET ajuda a preparar melhores profissionais em todo o país”, reconhece o diretor Técnico da Projelet ECOM, Weber Carvalho, que recebeu a homenagem pessoalmente. Escolha feita pelos próprios alunos O CEFET-MG faz reuniões com todos os alunos que estão estagiando no ano e, nessas reuniões, cada um expõe como está sendo a experiência. Em relação ao estágio na Projelet ECOM, os estudantes relatam como realmente aprendem e conseguem exercer o que viram no curso, em vez de serem restringidos a tarefas burocráticas do dia a dia. Karen Elisa Rodrigues Loubach, estagiária da Projelet ECOM, conta que a experiência de trabalhar em uma empresa que se importa não somente com a formação técnica, mas também humana, a motiva ainda mais na profissão e a faz ter certeza que está no lugar certo. “ A equipe se importa com o aprendizado dos alunos e valoriza também as relações interpessoais. Isso deveria ser a realidade de todo lugar que recebe alunos para estagiar, mas não é. Logo quando entrei já vi o diferencial da Projelet ECOM e por isso essa homenagem foi mais que merecida”, enfatiza. Curso Técnico de Edificações O curso técnico de Edificações possui uma carga horária menor que o de Engenharia, porém possui muitas matérias similares às engenharias (Edificações à Eng. Civil e Eletrotécnica à Eng. Elétrica). Logo, esses profissionais já possuem uma carga de aprendizado específica dos projetos que desenvolvemos, porém falta a prática, que a Projelet ECOM oferece a eles. Um profissional entra no cargo de auxiliar e tem plena possibilidade de seguir crescendo na empresa. CEFET-MG Projelet ECOM: uma longa parceria A Projelet ECOM tem uma longa história com o CEFET-MG. Praticamente todos os colaboradores das áreas técnicas estudaram na instituição. Weber se diz “suspeito” para falar do CEFET-MG, pois se declara um apaixonado pela instituição: “Os alunos entram geralmente com 15 anos de idade e acabam adquirindo uma maturidade profissional mais cedo. Com certeza foi o que nos permitiu tê-los na empresa ainda novos. Comumente, os alunos continuam na área e fazem engenharia posteriormente. O engenheiro que possui curso técnico é muito mais bem preparado, pois já fará o curso de engenharia com uma “bagagem” muito maior e os resultados virão mais cedo e mais rápido. Eu sempre incentivos os adolescentes que conheço, que pretendem fazer engenharia no futuro, que façam o curso técnico em paralelo ao 2º Grau”, vislumbra Weber.

Farkasvolgyi Arquitetura – Projeto

dezembro 2, 2016
Parceiras de longa data, a Projelet ECOM e Farkasvolgyi concluem mais um trabalho de sucesso. A nova sede escritório de arquitetura, projetado entre 2015 e 2016, será inaugurado no início de 2017, na rua Rio Grande do Norte, região da Savassi, em Belo Horizonte. Para Glauco Lúcio, da equipe técnica da Farkasvolgyi, a escolha da Projelet ECOM para projetar as instalações do empreendimento se deve aos anos de trabalho em conjunto, que resultaram em uma relação de confiança entre as duas empresas. A familiaridade entre a Farkasvolgyi e a Projelet ECOM garante a execução de bons produtos de arquitetura e engenharia, além de gerar economia de tempo e recursos, principalmente na utilização do BIM (Building Information Modeling) durante o desenvolvimento dos projetos em que as empresas trabalham juntas. “Ambas compartilham da mesma visão, de inovar e buscar sempre por atualizações que agreguem valor aos serviços e reflitam, consequentemente, na qualidade dos projetos”, afirma Lúcio. O arquiteto explica que a equipe escolheu desenvolver o projeto em BIM, pois é o método de trabalho adotado na Farkasvolgyi desde 1995, quando foram compradas as primeiras licenças do ArchiCAD na Hungria e assim implementadas nos processos da empresa. “Desde então, a companhia percebe os benefícios de se trabalhar com a plataforma, ganhando agilidade e aperfeiçoamento nas propostas de projetos”, pontua. De acordo com o arquiteto, o BIM traz desafios para o mercado da construção. Em sua implementação há muitas diferenças em relação aos softwares 2D, principalmente por se tratar de ferramentas que vieram de fora e não se adaptam por completo às necessidades do mercado brasileiro. “O BIM exige um domínio completo do projeto, desde os estudos preliminares, demandando que todas as decisões e soluções sejam alinhadas na escolha e bem representadas ao longo do desenvolvimento do projeto”, finaliza. Histórico da Farkasvolgyi Aberto em 1973, em Belo Horizonte, pelo arquiteto húngaro István Farkasvölgyi, o escritório conta com vasta produção arquitetônica sob a coordenação de seu fundador, que em 1990 passou dividir a direção com seu filho Bernardo Farkasvölgyi. A parceria entre pai e filho resultou no desenvolvimento de diversos projetos e um sólido posicionamento de mercado. Com o falecimento do pai, em 2005, Bernardo assumiu a direção do escritório, junto a arquiteta Mariana Rodrigues e a especialista em Marketing Carina Farkasvolgyi. As atuações de Bernardo, Carina e Mariana contribuem para a consolidação da Farkasvolgyi Arquitetura no mercado, fazendo com que a empresa se destaque pela elaboração e desenvolvimento de projetos únicos.

Entenda a Norma de desempenho

novembro 28, 2016
Desde que entrou em vigor, em julho de 2013, a chamada Norma de Desempenho de Edificações vem transformando drasticamente os parâmetros de qualidade da indústria da construção civil brasileira. Contemplada dentro da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a Norma de Desempenho faz exigências básicas em relação ao grau de conforto e segurança dos imóveis residenciais em oferta no país. De certa forma, é um avanço, já que é inédito uma norma focar essencialmente nos padrões de qualidade do que é efetivamente entregue ao consumidor, unindo o estado da arte da construção à realidade econômica atual. Neste post, nós elencamos 4 itens que você precisa saber sobre a Norma de Desempenho, principalmente na hora de exigir os seus direitos. Confira: Afinal, como funciona a Norma de Desempenho? As regras abrangidas pela Norma de Desempenho priorizam os benefícios do consumidor, de forma a dividir todas as responsabilidades entre os fabricantes, projetistas, construtores e também os usuários. A NBR 15.575 ressalta os níveis de segurança, conforto e resistência que devem ser proporcionados por cada um dos sistemas que compõem um imóvel, como sua estrutura, vedações, coberturas, pisos e demais instalações. Como é composta e dividida a Norma de Desempenho? A norma é dividida em 6 partes. A primeira indica os requisitos gerais da obra. As demais, abordam os sistemas que fazem parte de uma edificação: Estrutural; Pisos; Cobertura; Vedação; Sistemas hidrossanitários. Para cada um deles, a Norma estabelece critérios objetivos de qualidade e os procedimentos para medir se os sistemas atendem aos requisitos. Como a Norma de Desempenho se diferencia das demais? Antes da Norma de Desempenho entrar em vigor, a ABNT trabalhava apenas com as normas  prescritivas em relação ao universo da construção civil. As normas prescritivas se restringiam a indicar tipo de material e medidas em geral para uma obra. A Norma de Desempenho vai além e determina quais necessidades do usuário o edifício é obrigado a atender, sendo uma norma ao mesmo tempo quantitativa e qualitativa. A Norma de Desempenho tem força de lei? Sim. O Código de Defesa do Consumidor dá às Normas Técnicas da ABNT a força de uma lei, embora não sejam necessariamente uma Lei. Advogados têm usado a Norma em casos em que o consumidor é vítima de prática enganosa. E na maioria das vezes, com sucesso, pois ela possui critérios objetivos para medir as responsabilidades nos mais diversos tipos de problemas. Portanto é bom ficar atento! Mas antes de vê-la como uma possível carta na manga em julgamentos, é preciso destacar os benefícios que a Norma de Desempenho é capaz de trazer para a nossa sociedade, uma vez que estabelece um padrão de qualidade baseado inteiramente na performance e durabilidade dos sistemas que compõem os edifícios. Ou seja, mais segurança e conforto para quem realmente precisa: o usuário. E você, ainda tem dúvidas sobre a Norma de Desempenho? Conte para nós por meio dos comentários!

BIM: conceito e vantagens

novembro 18, 2016
O BIM (Building Information Modeling ou, em português, Modelagem de Informação da Construção) é uma tecnologia que vem ganhando cada vez mais espaço nos campos da Engenharia e Arquitetura. No Brasil, muitos negócios da construção civil têm apostado nessa novidade para ganhar espaço no mercado e conquistar clientes. Mas, na prática, você sabe o que é BIM e para que ele serve? Conhece as vantagens que você garante para a sua obra ao contratar uma empresa que já adotou o sistema? Entenda agora. O que é BIM? O BIM abrange as etapas de uma construção, desde a fase inicial até a entrega. A partir da criação de um modelo digital do projeto e a fim de otimizar processos, o sistema promove um gerenciamento eficiente de todas as informações do ciclo de vida de uma edificação. Para isso, conforme descrição feita pelo Diário do Comércio na matéria que publicamos aqui, a metodologia utiliza projeções de 3D a 6D, que permitem um detalhamento realista do projeto no ambiente virtual através da recriação de objetos característicos a cada etapa da construção. A maquete criada com o BIM tem as proporções exatas do projeto, não apenas espaciais, mas também de tempo e custo, possibilitando um planejamento completo e assertivo. Dessa forma, é possível fazer simulações e cálculos que englobam desde os detalhes construtivos e estruturais, até a quantificação exata de materiais que serão necessários para uma obra. Na prática, o ArchDaily exemplificou como isso funciona: ao criar as paredes no modelo virtual, os materiais que serão necessários para a sua construção já são calculados. Automaticamente, é possível saber a quantidade de tijolos, o volume de reboco e a área de pintura que as paredes consumirão, por exemplo. Paralelamente, o BIM já calcula também qual será o custo disso e adiciona ao orçamento da obra, que vai sendo concebido ao mesmo tempo que o projeto. A tecnologia oferece, ainda, a possibilidade de testar soluções no modelo virtual de uma edificação antes de aplicá-las de fato na estrutura da obra. Isso ajuda os profissionais a garantirem a integridade da construção, bem como a avaliar custos e diversos outros parâmetros. Sendo assim, as construtoras que recorrem à essa tecnologia têm mais segurança para planejar obras e programar suas atividades, bem como para estimar o orçamento e o tempo de conclusão de projetos com exatidão, melhorando a qualidade geral dos processos. Conheça as vantagens do BIM Planejamento eficiente de projetos; Estrutura visualizada em 3D: compreensão clara de projetos arquitetônicos e fácil concepção de todas as fases de uma construção; Cálculo automático e preciso de orçamentos; Simples análise de custo em todas as etapas da obra: quando qualquer detalhe do projeto virtual é modificado, os cálculos quantitativos são refeitos automática e instantaneamente; Análise eficiente de riscos: o BIM é garantia de menos problemas na obra, pois tem a capacidade de antecipar e detectar conflitos; Equalização de materiais, custos e tempo de construção; Mais produtividade no fluxo de trabalho da equipe envolvida: diversos profissionais podem trabalhar sobre um mesmo modelo